Setembro vermelho alerta para as doenças cardiovasculareso Brasil e em todo o mundo comemora-se o Outubro Rosa e o Novembro Azul - campanhas associadas, respectivamente, aos combates do câncer de mama e do câncer de próstata. Seguindo esses eventos, neste mês temos o Setembro Vermelho, ação social voltada aos cuidados do coração, que pretende diminuir o número de casos de infartos, derrames e outras complicações cardiovasculares, uma das maiores causas de mortes no mundo. Idealizada em 2014, pelo

No Brasil e em todo o mundo comemora-se o Outubro Rosa e o Novembro Azul - campanhas associadas, respectivamente, aos combates do câncer de mama e do câncer de próstata. Seguindo esses eventos, neste mês temos o Setembro Vermelho, ação social voltada aos cuidados do coração, que pretende diminuir o número de casos de infartos, derrames e outras complicações cardiovasculares, uma das maiores causas de mortes no mundo. Idealizada em 2014, pelo "Instituto Lado a Lado Pela Vida", a campanha escolheu setembro por se tratar do mês em que acontece o Dia Mundial do Coração, 29/09.

O Hospital Vila da Serra apóia essa iniciativa. A médica Patrícia da Silveira Lages, coordenadora do serviço de Cardiologia dessa instituição hospitalar, alerta para a importância de se cuidar desse importante órgão e como ficar longe dos riscos de infarto. Ela ressalta que as doenças cardiovasculares são as principais causas de mortes no Brasil. “Ao todo representam 30% dos óbitos, conforme dados da Sociedade Brasileira de Cardiologia. De acordo com o Cardiômetro da entidade, somente em 2018 mais de 260.000 pessoas já morreram devido às complicações cardíacas. As mulheres são as principais vítimas: 60% dos infartos no país ocorrem na população feminina, segundo informações do Ministério da Saúde. Na verdade, a taxa de mulheres com problemas do coração geralmente é comparável à da incidência dessa doença em homens, mas as mulheres morrem mais pois os sintomas são pouco reconhecidos pelas pacientes (manifestações atípicas, diferentes dos homens), o que retarda retarda o diagnóstico e tratamento.

Prevenção - “A maioria das doenças cardiovasculares pode ser prevenida por meio da abordagem de fatores comportamentais de risco – como o uso de tabaco, dietas não saudáveis e obesidade, falta de atividade física e uso nocivo do álcool e estresse. Os efeitos dos fatores comportamentais de risco podem se manifestar em indivíduos por meio de pressão arterial e glicemia altas, hiperlipidemia, sobrepeso e obesidade. ”

Dra. Patrícia Lages explica que “as doenças cardiovasculares são um grupo de doenças do coração e dos vasos sanguíneos ocasionadas principalmente pela aterosclerose. Elas podem ser de origem genética, mas o principal motivo é comportamental”. Dentre elas podemos citar a doença coronariana (entupimento dos vasos que irrigam o coração); doença cerebrovascular – doença dos vasos sanguíneos que irrigam o cérebro; doença arterial periférica – que atinge os vasos sanguíneos que irrigam os membros superiores e inferiores; doença cardíaca reumática – danos no músculo do coração e válvulas cardíacas devido à febre reumática; cardiopatia congênita – malformações na estrutura do coração existentes desde o momento do nascimento; trombose venosa profunda e embolia pulmonar – coágulos sanguíneos nas veias das pernas, que podem se desalojar e se mover para o coração e pulmões.

De acordo com a médica, no Brasil, em 2013, as doenças cardiovasculares (DCV) foram a primeira causa de morte entre pessoas com mais de 60 anos de idade e a segunda causa de morte entre as pessoas entre 20 e 59 anos de idade, atrás apenas das causas externas, tais como, acidentes de trânsito, homicídios, entre outros.

Um dado levantado pela Sociedade Brasileira de Cardiologia é o de que nem sempre os pacientes seguem as orientações médicas. A cada três receitas passadas pelos médicos, uma nunca será utilizada pelo paciente. Além de um problema de saúde pública, que atinge diretamente a população, os problemas cardiovasculares afetam também a produtividade, e isso aumenta os custos da gestão em saúde.

Dicas de prevenção- Alimentação equilibrada: quanto mais optar por uma alimentação natural, livre de conservantes e compostos químicos, mais saudáveis se torna o seu organismo. Além disso, alguns alimentos são diretamente relacionados com o bem-estar cardíaco, tais como: aveia, azeite de oliva, salmão, atum, suco de uva integral, maçã e as oleaginosas. Esses alimentos são ricos em fibras alimentares que atuam no controle do colesterol e da pressão arterial, prevenindo as doenças cardiovasculares. Faça um check-up anualmente: ter um acompanhamento médico é fundamental para ver o desenvolvimento do organismo no decorrer dos anos. Com uma boa avaliação clínica, o médico decidirá sobre quais exames necessários de acordo com o perfil individual e história familiar. Além disso, um check-up pode ajudar a descobrir doenças antes que o estado do paciente se agrave, facilitando o tratamento. O cardiologista determinará o tempo ideal de retorno, que pode variar entre meses ou algumas semanas. Após os 40 anos de idade, recomenda-se consulta anual. Pratique esportes: Uma caminhada leve, andar de bicicleta, natação... Dos esportes mais simples aos mais complexos e intensos, como o crossfit, por exemplo, qualquer atividade regular irá beneficiar a saúde do coração, equilibrando os níveis de colesterol no sangue e diminuindo o estresse. Isso porque os exercícios físicos ajudam a controlar a frequência cardíaca e combatem a obesidade, Importante também fazer todos os exames solicitados, pelo menos uma vez no ano. E, dependendo da idade, esse espaço de tempo pode diminuir. Mantenha o peso ideal: Você sabe qual é o seu peso correto? Você pode descobrir calculando o seu IMC (Índice de Massa Corporal) e, aliado a isso, ter um acompanhamento profissional para formular as refeições de acordo com as suas necessidades. A obesidade está relacionada com a saúde do coração e deve ser combatida com uma alimentação saudável. Por último, Fique longe do cigarro e outras toxinas: fumar é um hábito totalmente contrário à proposta de ser saudável, uma vez que o tabaco pode aumentar a pressão arterial e contribuir com o desenvolvimento das doenças cardiovasculares.

 

Portal Medicina & saúde: (31)3586-0937 | FAÇA CONTATO

medicina & saúde nas redes