Hospital Vila da Serra monta pronto atendimento com atendimento separado para casos de síndromes respiratórias

Devido ao medo da contaminação pelo novo Coronavírus (Covid-19), muitas pessoas têm evitado ir ao pronto atendimento para diagnósticos que demandam avaliação médica rápida, e com isso correm o risco de ter o seu quadro agravado.

A médica Nayanne Ávila Grochowski: “devido ao medo de contaminação, muitos pacientes têm neglicenciado alguns sintomas”

Devido ao medo da contaminação pelo novo Coronavírus (Covid-19), muitas pessoas têm evitado ir ao pronto atendimento para diagnósticos que demandam avaliação médica rápida, e com isso correm o risco de ter o seu quadro agravado.

De acordo com a médica e coordenadora do Pronto Atendimento Adulto do Hospital Vila da Serra (HVS), Dra. Nayanne Ávila Grochowski, além dos pacientes de síndromes respiratórias – como é o caso Covid-19 – o setor também continua preparado para oferecer atendimento nas áreas de clínica geral, cardiologia, materno infantil, pediatria, urologia, ortopedia e cirúrgica. “Mas nas últimas semanas, observamos que devido ao medo de contaminação, muitos pacientes têm negligenciado alguns sintomas e os casos de infarto, por exemplo, têm chegado ao nosso atendimento com um nível de gravidade maior. Isso é um erro porque o tempo é fator determinante para o sucesso do tratamento nesses casos”, alerta.

Além dos problemas cardiológicos, quadros de Acidente Vascular Cerebral (AVC), problemas clínicos pulmonares e renais, diabetes, quedas, fraturas, traumas e infecções devem ser encaminhados para o Pronto Atendimento sem demora, para evitar o agravamento dos sintomas ou complicações que podem até levar a morte.

A médica recomenda, ainda, especial atenção aos idosos, principalmente quando o quadro de saúde é complexo e envolve vários fatores de risco. Nesse sentido, queda do estado geral ou prostração não podem ser deixadas para depois.

“As pessoas têm que exercitar o bom senso para avaliar se existe uma real necessidade de ir ao hospital, porém o receio de contaminação não pode ser determinante para que não procurem atendimento médico quando é necessário. A estrutura hospitalar está preparada para atender demais pacientes com outros diagnósticos. Afinal as outras doenças ainda existem. Caso precise vir, usar máscara, evitar transporte público, lavar as mãos frequentemente, usar sempre o álcool em gel 70% e evitar aglomerações no saguão são medidas de segurança indispensáveis nesse momento”, explica Nayanne Grochowski.

Triagem separada

Para evitar aglomerações e, consequentemente, o risco de contaminação com o novo coronavírus, o Hospital Vila da Serra montou sala de espera e sistema de triagem separados para receber os casos de síndromes respiratórias no seu Pronto Atendimento Adulto e garantir a devida segurança para os indivíduos que procuram o setor para outros diagnósticos, igualmente graves.

“Temos uma condição clínica nova, que é o Covid-19 e a necessidade de atualização é diária. Desde o início da pandemia, temos capacitado continuamente toda a equipe assistencial sobre o enfrentamento desta doença, e os cuidados que todos devem ter ao atender os pacientes infectados, como uso correto dos equipamentos de proteção individual (EPI) e os fluxos e procedimentos recomendados pela Organização Mundial de Saúde (OMS), para um diagnóstico mais rápido e preciso”, afirma a médica.

Na mesma linha, para evitar aglomerações de pessoas nos corredores, o Hospital tem controlado o acesso de acompanhantes, com meta de apenas um para cada paciente, caso exista essa necessidade. “Se a pessoa puder ficar sozinha, tanto melhor”, enfatiza Nayanne Grochwski. As visitas aos indivíduos que estão internados também foram reduzidas, para evitar circulação excessiva de pessoas nos andares.

 

Portal Medicina & saúde: (31)3586-0937 | FAÇA CONTATO

medicina & saúde nas redes