Fertilidade de mulheres com câncer de mama pode ser preservadaA conscientização sobre a importância do autoexame, da mamografia e do diagnóstico precoce do câncer de mama são a tônica do Outubro Rosa. Contudo, um outro aspecto também merece atenção, embora nem sempre seja discutido: a preservação da fertilidade. Parte das mulheres diagnosticadas com câncer de mama encontra-se em idade reprodutiva, ainda têm planos de ter filhos, e muitas delas não têm conhecimento de que os tratamentos oncológicos, como rádio e quimioterapia, podem causar infertilidade.

O Dr. Ricardo Marinho: “técnicas de reprodução assistida permitem que pacientes oncológicas mantenham vivo o desejo da maternidade”

A conscientização sobre a importância do autoexame, da mamografia e do diagnóstico precoce do câncer de mama são a tônica do Outubro Rosa. Contudo, um outro aspecto também merece atenção, embora nem sempre seja discutido: a preservação da fertilidade. Parte das mulheres diagnosticadas com câncer de mama encontra-se em idade reprodutiva, ainda têm planos de ter filhos, e muitas delas não têm conhecimento de que os tratamentos oncológicos, como rádio e quimioterapia, podem causar infertilidade.

De acordo com o Dr. Ricardo Marinho, ginecologista especializado em reprodução assistida da clínica Pró-Criar, as chances de cura do câncer de mama chegam a 90% se diagnosticado precocemente. Diante desse prognóstico tão favorável, a preservação da fertilidade deveria ser abordada pelo mastologista logo nas primeiras consultas. “A medicina reprodutiva disponibiliza algumas técnicas para preservar a possibilidade de gravidez futura. A escolha do método mais adequado deve ser feita em conjunto com o mastologista e o oncologista e levar em consideração fatores como idade da paciente e o tempo hábil até o início do tratamento”, afirma.

Atualmente, a criopreservação de óvulos é a opção mais indicada. Para se congelar óvulos, é preciso induzir a ovulação por meio de medicamentos, de forma a se extrair o maior número possível de células reprodutivas. O procedimento leva de 10 a 15 dias para ser completado, uma vez que os óvulos precisam amadurecer antes de serem coletados. Se a mulher estiver em um relacionamento estável, e assim desejar, ela poderá recorrer ao congelamento de embriões, ou seja, fertilizar em laboratório os óvulos com o sêmen do parceiro.

Segundo o especialista da Pró-Criar, apesar de o congelamento de óvulos ser o método mais comum, existem situações para as quais a técnica não é a mais indicada, como nos casos em que existe muito pouco tempo até o início da quimioterapia. Uma outra situação seriam as doenças malignas que ocorrem em meninas antes da puberdade. Nesse caso, é recomendada a criopreservação de tecido ovariano. Parte do tecido é retirado e congelado. Após a liberação do oncologista, eles poderão ser reimplantados no organismo da mulher para ela tentar a gravidez naturalmente ou por fertilização in vitro. “Apesar de já ser realizada em alguns países, essa técnica ainda é considerada experimental por não estar completamente padronizada, embora seja promissora”, ressalta.

Independentemente do método a ser utilizado, Dr. Ricardo Marinho enfatiza que o principal é que os médicos orientem seus pacientes sobre o risco de infertilidade durante o tratamento. “À medida que a sobrevida de pacientes oncológicos aumenta, questões relacionadas à qualidade de vida passam a ser consideradas e, nesse contexto, um dos pontos mais importantes é a possibilidade de preservar a fertilidade para uma futura maternidade”, finaliza.

 

Portal Medicina & saúde: (31)3586-0937 | FAÇA CONTATO

medicina & saúde nas redes