Exames genéticos ajudam na prevenção do câncer de mama

De acordo com o Instituto Nacional de Câncer (INCA), no Brasil, o câncer de mama é o segundo mais comum e o que causa mais mortes em mulheres, chegando a 16,1% dos óbitos. Não existe uma causa específica, mas a idade, assim como fatores endócrinos, comportamentais e até mesmo genéticos e hereditários podem contribuir para o desenvolvimento da doença.

O médico imunologista João Bosco Oliveira: “ao realizar um teste genético, é possível identificar se existe uma mutação dos genes associados a alguns tipos de câncer”

De acordo com o Instituto Nacional de Câncer (INCA), no Brasil, o câncer de mama é o segundo mais comum e o que causa mais mortes em mulheres, chegando a 16,1% dos óbitos. Não existe uma causa específica, mas a idade, assim como fatores endócrinos, comportamentais e até mesmo genéticos e hereditários podem contribuir para o desenvolvimento da doença.

Cerca de 5 a 10% dos cânceres de mama têm causa hereditária e estão relacionados a mutações em determinados genes, especialmente os BRCA1 e BRCA2. As mulheres que possuem casos de câncer de mama na família, sobretudo em parentes consanguíneos, podem ter predisposição genética e estão dentro do grupo de maior risco para a doença. Por este motivo, a realização do autoexame é de extrema importância, no entanto, exames clínicos e genéticos não podem ser dispensados e estão cada dia mais acessíveis.

A Genomika Einstein realiza o painel NGS para Risco Hereditário de Câncer, que é considerado um dos testes mais avançados para detectar chance aumentada de desenvolver a doença. No exame, o DNA do paciente é extraído da amostra de sangue ou saliva, e analisado por meio da metodologia NGS - sequenciamento de nova geração.

“Todo indivíduo carrega uma carga genética única. A maior parte dessas variantes trazem características que não são danosas. Porém, algumas delas alteram o funcionamento normal de um gene e podem causar um risco maior do desenvolvimento de tumores. Essas alterações podem ser detectadas por um teste genético” destaca o médico imunologista João Bosco Oliveira, sócio-fundador da Genomika Einstein.

No painel de Risco Hereditário, são avaliados 44 genes associados a diferentes tipos de câncer. Mutações no gene BRCA1 e BRCA2, por exemplo, estão associadas ao câncer de mama, ovário e próstata. Porém, o que poucos sabem é que esse exame é um dos que fazem parte da cobertura obrigatória por planos de saúde, por ordem da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS).

O teste de sequenciamento é realizado de forma simples, podendo identificar os portadores desse risco aumentado. “Ao realizar um teste genético, é possível identificar se existe uma mutação dos genes associados a alguns tipos de câncer. Ao verificar esta alteração e a existência do risco, pode-se estabelecer um plano de vigilância personalizado, diferente do adotado pela população em geral”, destaca João Bosco.

Sobre a Genomika Einstein – A Genomika Einstein é o laboratório de genética do Hospital Israelita Albert Einstein e um dos pioneiros do Brasil a trazer a tecnologia de sequenciamento de segunda geração para o diagnóstico clínico de doenças raras e hereditárias, oncologia, medicina fetal e reprodutiva e farmacogenética. O laboratório conta com uma equipe de especialistas nas diversas áreas de biologia molecular, citogenética e bioinformática. Possui mais de 500 testes genéticos no portfólio e atende diversos planos de saúde. Com sede no Recife e unidade própria em São Paulo, Porto Alegre e Brasília, a Genomika Einstein atua de forma ampla no Hospital Israelita Albert Einstein e cooperativa com parceiros em outros estados e uma rede extensa de logística, coletando amostras em todo o Brasil.

Mais informações no site: genomika.com.br

 

Portal Medicina & Saúde (31)3586-0937 | FAÇA CONTATO

medicina & saúde nas redes