Envelhecimento e a Importância da FisioterapiaCom o visível crescimento da população idosa no mundo é cada vez mais necessária a presença de profissionais aptos para lidar com essa realidade.  De acordo com a OMS (Organizações Mundial da Saúde), até 2050 a população de idosos poderá ser de dois bilhões.

A fisioterapeuta Ellen Cristina Souza Teixeira, coordenadora do Serviço de Fisioterapia da Integrarte - Centro de Atividades

Com o visível crescimento da população idosa no mundo é cada vez mais necessária a presença de profissionais aptos para lidar com essa realidade. De acordo com a OMS (Organizações Mundial da Saúde), até 2050 a população de idosos poderá ser de dois bilhões. No Brasil, esta situação não é diferente. A expectativa de vida do brasileiro vem aumentando significativamente. Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE, existe hoje no país mais de 15 milhões de idosos e a estimativa é que nos próximos 20 anos esta população ultrapasse os 30 milhões, ou seja, a sua proporção mais que dobrará. Para 2060, o órgão prevê que 26,75% da população terá mais de 65 anos.

Nessa entrevista ao Portal Medicina e Saúde, a fisioterapeuta Ellen Cristina Souza Teixeira, graduada em Fisioterapia pela Faculdade Ciências Médicas de Minas Gerais, no ano de 2002, e Pós-Graduada em Fisioterapia em Geriatria e Gerontologia pela Universidade Federal de Minas Gerais-UFMG fala sobre as suas preocupações com o idoso brasileiro, a importância da fisioterapia para essa faixa etária, tratamento através da fisioterapia e envelhecimento com qualidade de vida.

Ellen Cristina Souza Teixeira tem formações internacionais em Hidroterapia, nos métodos Watsu e Halliwick. Atualmente é fisioterapeuta e coordenadora do Serviço de Fisioterapia da Integrarte - Centro de Atividades, em Belo Horizonte.

O que são Geriatria e Gerontologia?

Geriatria é um ramo da medicina que se integra na área da Gerontologia. Ela tem como objetivo a promoção da saúde, da prevenção e do tratamento das doenças, da reabilitação funcional e dos cuidados paliativos.

A Gerontologia, por sua vez, é a ciência que estuda especificamente a qualidade de vida no envelhecimento. Analisa o envelhecimento nos aspectos biológicos, psicológicos, sociais e outros. É um ramo multidisciplinar onde os profissionais possuem formações diversificadas, interagindo entre si e com os geriatras.

E o que é a Fisioterapia em Geriatria?

Existem duas linhas de atuação da Fisioterapia junto à população idosa: a Fisioterapia Geriátrica, que se dedica ao tratamento das doenças e a suas prevenções; e a Fisioterapia Gerontológica, que aborda o idoso de uma maneira mais integral e humanizada, atuando na prevenção e em sua reabilitação, considerando os aspectos biológicos, psicológicos e sociais.

Na Fisioterapia Gerontológica é muito importante o fisioterapeuta ouvir o paciente com atenção, buscando informações para melhor poder entendê-lo de forma global, ficando, assim, mais viável planejar um tratamento melhor e mais adequado para ele.

Esse conjunto de atitudes tomadas pelo fisioterapeuta faz com que o tratamento não se restrinja apenas às questões físicas, mas, também, valorizando os aspectos psicossociais do idoso, sua interação com a família, atividades de lazer e motivações no cotidiano.

Quais as principais preocupações do idoso brasileiro?

Creio que seja conseguir chegar à terceira idade em boas condições de saúde e/ou ter acesso a tratamento para os males típicos desta fase da vida. Essas preocupações não são exclusivas do idoso brasileiro, mas preocupam todos os idosos do mundo inteiro. Independentemente do nível de desenvolvimento do país, os principais problemas de saúde enfrentados por quem já passou dos 60 não mudam muito.

Conforme estudo da ONU, doenças cardíacas, derrame e comprometimento pulmonar crônico são as principais causas de morte. Já as limitações físicas decorrem principalmente de diminuição da visão e da audição, demência e osteoartrites.

No Brasil, há um dado preocupante: 36,5% das pessoas com mais de 50 anos já apresentam algum tipo de incapacidade funcional ou dificuldade para realizar tarefas simples, como atravessar a rua ou subir escadas.

De acordo com pesquisas, nos países em desenvolvimento os idosos perdem cinco vezes mais anos de vida devido a doenças pulmonares crônicas e duas vezes mais por infarto que nos países desenvolvidos. Idosos de países pobres também têm incidência três vezes maior de problemas visuais. Com o envelhecimento populacional acelerado, principalmente nos países em desenvolvimento, os desafios para o sistema de saúde são imensos. Para se ter uma ideia da situação, um dos problemas sérios do envelhecimento em todo o mundo, a demência já atinge mais de 1 milhão de pessoas no Brasil. E tende a aumentar nos próximos anos. E o pior, no Brasil não há uma política de cuidados para idosos, e a carência de profissionais qualificados é muito grande, sendo fundamental investir na formação de cuidadores e na qualificação de profissionais em todas as áreas de atuação, principalmente nas da saúde.

Quais as patologias que mais afetam o idoso?

As patologias mais comuns na terceira idade são: Hipertensão Arterial, Diabetes, Doença de Parkinson, Doença de Alzheimer, Câncer, Acidente Vascular Cerebral (Derrame),Pneumonia, Osteoporose, Osteoartrite (Artrose) e Infecção Urinária.

Quais as doenças mais graves?

As doenças mais letais na terceira idade são as cardiovasculares, entre elas a hipertensão e o diabetes, que podem evoluir para a insuficiência cardíaca. Segundo dados do IBGE, as doenças do aparelho circulatório são responsáveis por 39,4% dos óbitos masculinos e 36,3% dos femininos entre os idosos.

O que a senhora destaca de tratamento, do ponto de vista da fisioterapia?

Em qualquer fase da vida o tratamento fisioterapêutico pode ser necessário. Porém, na Terceira Idade ele tem uma importância maior, não apenas do ponto de vista de tratamento, mas como prevenção.

Como exemplo temos a prevenção de posturas viciosas, que dificultam as atividades de vida diárias do idoso, levando a um encurtamento dos músculos e a dores. Dessa forma, um tratamento fisioterapêutico, utilizando alongamentos globais, fortalecimento da musculatura enfraquecida e trabalho de marcha, melhoraria a postura e preservaria as articulações, melhorando a qualidade de vida do idoso.

Existem também, determinadas patologias comuns nessa faixa etária, como a cervicalgia (dor na região cervical) e a lombalgia (dor na região lombar) que afetam 45% dos pacientes acima de 65 anos. Para esses pacientes, a fisioterapia tem importante papel no tratamento analgésico e anti-inflamatório, favorecendo assim, o menor uso de medicamentos e diminuindo as crises agudas dessas patologias.

A Fisioterapia na Terceira Idade apresenta diversos benefícios, dentre eles, podemos destacar: envelhecimento com qualidade de vida, aumento da força muscular, melhora da locomoção e do equilíbrio, bem como a coordenação dessas funções. Também propicia para os idosos a independência e o conforto na realização das suas atividades diárias.

Como envelhecer com qualidade de vida?

Envelhecer com qualidade de vida é sinônimo de envelhecer com autonomia e bem-estar. O desafio é justamente alcançar a maturidade e seguir por ela sem grandes perdas nesse sentido, mantendo-se a máxima independência possível.

Para conseguir isso é importante melhorar a função musculoesquelética, a mobilidade e a vitalidade. Exercícios físicos, com orientação profissional e a boa alimentação para evitar deficiências nutricionais, são fundamentais para deixar músculos e ossos em plena capacidade.

Outro fator importante é a prevenção de quedas. Principalmente diante da osteoporose, uma queda pode resultar em fraturas de quadril e fêmur, por exemplo, levando à perda da independência.

Cuidar de problemas relacionados à idade, como a incontinência urinária, também é importante, pois não é raro seus portadores se isolarem em casa. Além disso, a perda de urina faz o indivíduo se apressar para ir ao banheiro, o que pode levar a quedas e, consequentemente, a fraturas. Ao tratar essas e outras doenças, o idoso consegue seguir sua vida mais tranquilamente.

Mas é muito importante que tenha o apoio de um profissional treinado e disposto. Isso aumenta muito as chances de restabelecer as forças de um idoso que passou por alguma dificuldade. Do outro lado, um atendimento inadequado chega a agravar o problema.

Existe muita diferença social no Brasil, os mais abastados - que são poucos em relação à população, têm condições de envelhecer com qualidade, os mais pobres (a maioria), não. Assim, o que fazer?

De acordo com o estudo da Organização das Nações Unidas - ONU, sobre “Envelhecimento no Século XXI”, 46% das pessoas no mundo apresentam alguma limitação física após os 60 anos. As principais explicações para o problema, conforme o estudo, são os baixos níveis de renda e, principalmente, a escolaridade. O que define muito bem a situação de nosso país.

Para melhorar essa situação, o governo precisa criar mais iniciativas para atender os idosos. Ele já possui algumas, como exemplos, o Programa de Prevenção de Quedas e Discussão sobre Sexualidade e Osteoporose, mas precisa aumentar o enfoque na terceira idade. As políticas públicas, de um modo geral, precisam correr para que realmente atendam no que lhes cabe: um melhor cuidado, uma melhor ambiência e uma melhor condição de vida para população idosa.

Quais as dicas de prevenção de doenças para os idosos?

A regra de ouro para prevenção de doenças na terceira idade é exercício físico. O que não significa necessariamente ir para a academia e fazer musculação, e, sim, movimentar o corpo, ou seja, preferir escadas ao invés de elevador, descer um ponto antes do ônibus para estender a caminhada, por exemplo.

Existem, no entanto, pequenas diferenças na prevenção de uma e outra doença que farão toda diferença a longo prazo. No caso da hipertensão, é importante tomar cuidado com o excesso de consumo de sódio e, principalmente, o sedentarismo. O mesmo vale para a diabetes, embora neste caso a atenção com a comida se volte para a ingestão excessiva de carboidratos.

As comidas industrializadas devem ser evitadas, dando preferência para alimentos frescos. Substituir carne vermelha, com alta concentração de gordura, por peixe, frango ou porco diminui, também, o risco de infarto, a principal causa de mortalidade e incapacidade na velhice, junto com o derrame.

As doenças comuns entre os idosos muitas vezes os obrigam a reduzir a atividade social. Isso, no entanto, deve ser combatido. Manter-se em movimento, tanto fisicamente quanto socialmente, é importante. Isso pode ser feito por meio de programas de lazer que podem ser, inclusive, relacionados aos exercícios físicos.

Quais outras observações que a senhora deseja destacar?

O processo de envelhecimento é único e universal. Todos vamos envelhecer! Porém, cada um de maneira peculiar. Na fisioterapia para idosos é muito importante levarmos em consideração a presença ou ausência de doença, e o nível de independência e autonomia que o indivíduo apresenta. A Fisioterapia Gerontológica mostra-se eficiente para a manutenção e melhora da capacidade funcional, aumentando a qualidade e a perspectiva de vida, pois enxerga todos os aspectos que envolvem o idoso.

Diante desse fenômeno mundial, que é o envelhecimento populacional, se faz necessário o conhecimento de todo o processo do envelhecimento e de assuntos relacionados à pessoa idosa, tanto por parte da população geral quanto das autoridades.

O envelhecimento populacional é um grande desafio para todos, e cada vez mais são necessários estudos, pesquisas e encontros para debater e compartilhar ideias e meios que promovam e preparem toda a população para o envelhecimento, selecionando e treinando profissionais para atender esse segmento, que cresce a cada dia, melhorando a acessibilidade das ruas, delineando estratégias de prevenção de doenças e incapacidades para uma longevidade produtiva com qualidade de vida, e a atenção com o idoso.

 

Portal Medicina & saúde: (31)3586-0937 | FAÇA CONTATO

medicina & saúde nas redes