É preciso levantar os tapetes: artigo do presidente do Instituto Ética SaúdeA cada denúncia que assistimos de uma nova empresa, de um grupo de médicos ou hospitais envolvidos em esquemas fraudulentos na comercialização de Dispositivos Médicos Implantáveis, vem a confirmação do que já sabíamos desde a implantação do Ética Saúde, em junho de 2015: o caminho não seria fácil. Porém a percepção é que, aos poucos, com a sucessão de casos, estão saindo do mercado os profissionais que não primam pela ética e pela transparência.

Gláucio Pegurin Libório, presidente do Conselho de Administração do Instituto Ética Saúde

A cada denúncia que assistimos de uma nova empresa, de um grupo de médicos ou hospitais envolvidos em esquemas fraudulentos na comercialização de Dispositivos Médicos Implantáveis, vem a confirmação do que já sabíamos desde a implantação do Ética Saúde, em junho de 2015: o caminho não seria fácil. Porém a percepção é que, aos poucos, com a sucessão de casos, estão saindo do mercado os profissionais que não primam pela ética e pela transparência.

A denúncia é, sem dúvida, a arma mais poderosa que temos para mudar o cenário. Por isso criamos, no lançamento do Ética Saúde, o Canal de Denúncias. Pelo www.eticasaude.org.br ou pelo 0800-741-0015 é possível denunciar de forma anônima ou se identificando, se preferir. O Canal tem administração independente pela ICTS Protiviti, empresa premiada pela Controladoria Geral da União – CGU como sendo "Pró-Ética".

Em três anos, o Canal registrou 588 denúncias e 1446 denunciados, entre médicos, distribuidores, hospitais, importadores, operadoras de planos de saúde, fabricantes e outros. Os casos analisados pertinentes, com indícios de irregularidades, são encaminhados para o Conselho de Ética que, também independente, pode punir as empresas e ainda direcionar os processos para as autoridades legais. São atualmente integrantes do Conselho de Ética: o subprocurador geral da República, Antônio Fonseca, o presidente executivo do Instituto Brasileiro de Ética Concorrencial - ETCO, Edson Luiz Vismona, e o professor da Universidade de São Paulo, Celso de Hildebrand e Grisi.

Até junho deste ano, foram emitidas 10 recomendações e 36 advertências às empresas associadas denunciadas, além de seis arquivamentos. 181 processos estão disponíveis para as autoridades legais com acordos firmados com o Ética Saúde para providências. Um claro sinal de que a situação está mudando. O Ética Saúde tem, de fato,sido um divisor de águas para o setor. As empresas se mobilizaram, como nunca haviam feito, para buscar um ambiente de negócios mais transparente e sustentável. E outros agentes do setor, como os hospitais, estão se unindo ao Instituto para participar mais ativamente desse movimento que é o combate à corrupção na área da saúde, no Brasil.

Vivemos uma transformação na reputação do setor de saúde e o Canal de Denúncias é uma das garantias para que as empresas éticas ganhem força no mercado e credibilidade entre os pacientes. Muito ainda tem que ser feito, mas a semente foi plantada e o caminho é irreversível.

O momento, mais do que nunca, exige cidadania e vigilância de todos. Não é mais possível, sequer aceitável, ver alguém "empurrado a sujeira para debaixo do tapete", como no ditado tão conhecido, sem fazer nada. É necessário "levantarmos os tapetes" e denunciarmos as irregularidades. Só assim será possível expurgar de vez os maus profissionais, maus empresários, maus executivos e maus agentes públicos.

 

Portal Medicina & saúde: (31)3586-0937 | FAÇA CONTATO

medicina & saúde nas redes