Desconforto Emocional em Períodos de Isolamento

Em tempo de coronavírus, momento em que ficamos mais sensíveis e devemos ser mais solidários com o próximo, estamos atentos às boas mensagens que chegam até nós. O Portal Medicina e Saúde recebeu um trabalho de ótima qualidade, denominado “Desconforto Emocional em Períodos de Isolamento”, elaborado pelo psicanalista Marcos Wagner e pela psicóloga Karoline Paiva, de São Paulo. Reproduzimos aqui algumas orientações dos dois profissionais.

Utilize toda a tecnologia disponível para manter-se conectado com a vida - Crédito: photo created by freepik

Em tempo de coronavírus, momento em que ficamos mais sensíveis e devemos ser mais solidários com o próximo, estamos atentos às boas mensagens que chegam até nós. O Portal Medicina e Saúde recebeu um trabalho de ótima qualidade, denominado “Desconforto Emocional em Períodos de Isolamento”, elaborado pelo psicanalista Marcos Wagner e pela psicóloga Karoline Paiva, de São Paulo. Reproduzimos aqui algumas orientações dos dois profissionais.

  • Evite:
  • Solidão como percepção de Abandono

A solitude é um estado desejável de privacidade que permite a reflexão e a subjetivação pessoal, mas a solidão pode produzir tristeza em excesso e potencializar traços depressivos inerentes a cada pessoa.

Utilize toda tecnologia disponível para manter-se conectado com a vida e com pessoas que você estima.

Una-se aos seus familiares e amigos, promovendo boas conversas por meio de videochamadas, telefonemas ou mensagens.

Lembre-se: Você tem condições de se fazer presente ainda que fisicamente longe ou apartado de seu grupo social.

Como seres humanos, nos reconhecemos como pessoa e nos organizamos em sociedade por meio da interação social. Portanto, durante períodos de isolamento, o mal-estar psicológico pode se instalar, fragilizando nossa capacidade de adaptação e reação ao estresse do confinamento, produzindo respostas fisiológicas e emocionais que podem impactar nosso sistema imunológico e a condição de equilíbrio mental para enfrentamento de situações adversas. Esse breve material visa contribuir com sugestões que possam minimizar os efeitos da nova rotina que se estabelece mundialmente no contexto da pandemia do novo coronavírus.

  • Evite:
  • Excesso de Informações Desnecessárias
  • Procure assistir noticiários apenas uma vez ao dia.
  • Geralmente a edição da manhã é capaz consolidar tudo o que precisamos saber para ficarmos atualizados.
  • Não caia na armadilha da hiperinformação e no excesso angustiante de informações falsas ou exageradas. Essas ações podem te levar a um estado mental de constante alerta, prejudicando o relaxamento e capacidade de discernimento.
  • Lembre-se: Você tem condições de filtrar conteúdos e impor limites quanto a sua exposição a informações que alterem seu estado de humor.

 

  • Evite:
  • Pensamentos Vitimistas
  • Estar isolado não é uma punição e sim uma preservação e contribuição para o bem comum.
  • Permanecer em casa por alguns dias é necessário, mas não é uma condição definitiva.
  • Em breve, tudo voltará ao normal.

Lembre-se: você tem condições de ressignificar o momento atual e dar a sua contribuição.

  • Evite:
  • Solidão como percepção de Abandono
  • A solitude é um estado desejável de privacidade que permite a reflexão e a subjetivação pessoal, mas a solidão pode produzir tristeza em excesso e potencializar traços depressivos inerentes a cada pessoa.
  • Utilize toda tecnologia disponível para manter-se conectado com a vida e com pessoas que você estima.
  • Una-se aos seus familiares e amigos, promovendo boas conversas por meio de videocâmaras, telefonemas ou mensagens.
  • Lembre-se: Você tem condições de se fazer presente ainda que fisicamente longe ou apartado de seu grupo social.

 

Evite:

Pessimismo como padrão de pensamento. O pessimismo impede a percepção de novos cenários.

  • Evite:
  • Não fazer nada. A inatividade pode produzir desânimo!
  • Se o ócio não for criativo, pode conduzir a um estado de letargia existencial. Encontre nas atividades manuais e nas atividades físicas que possam ser executadas em casa um meio para aliviar desconfortos e para preencher o tempo.
  • Lembre-se: você pode manter-se ativo e produtivo, mesmo estando em casa. Mova-se e alivie a tensão do isolamento.

 

  • Evite:
  • Uma agenda sem compromissos
  • Estabelecer uma rotina diária ajuda realização de PROPÓSITOS!
  • Para muitas pessoas, trabalhar em regime de home office, pode ser uma experiência nova e eventualmente não prazerosa.
  • Essa nova realidade, ainda que temporária, pode desorganizar a rotina diária e produzir algum tipo de insegurança ou angústia.
  • Organize seu tempo, incluindo períodos voltados a sua atividade profissional. Respeite intervalos como o almoço, pausas para o café e término de expediente. Não abra mão do tempo livre! Leia, interaja com outras pessoas e descanse!
  • Lembre-se: Gerencie sua agenda, considerando o momento atual sem perder de vista seus propósitos mais elevados.

 

  • Evite:
  • Viver numa perspectiva meramente individualista
  • Lembre-se: Você tem condições dividir espaços, aceitar rotinas e propor acordo visando a coletividade e a unidade.

 

Possivelmente dividimos nosso espaço de confinamento com outras pessoas no núcleo familiar.

Sua individualidade é importante, mas dimensão coletiva não pode ser ignorada.

É importante que todos tomem consciência das dificuldades atuais, exercitando empatia, firmando acordos e regras de convívio, e buscando um elevado espírito de colaboração e apoio mútuo, a fim de tornar a vida.

Contato com o psicanalista Marcos Wagner: 11- 98911.5372

Contato com a psicóloga Karoline Paiva: 11-95985.9295

Em tempo de coronavírus, momento em que ficamos mais sensíveis e devemos ser mais solidários com o próximo, estamos atentos às boas mensagens que chegam até nós. O Portal Medicina e Saúde recebeu um trabalho de ótima qualidade, denominado “Desconforto Emocional em Períodos de Isolamento”, elaborado pelo psicanalista Marcos Wagner e pela psicóloga Karoline Paiva, de São Paulo. Reproduzimos aqui algumas orientações dos dois profissionais.

 

Portal Medicina & saúde: (31)3586-0937 | FAÇA CONTATO

medicina & saúde nas redes