Campanha “Adote uma cadeira”, do Hospital da Baleia, busca recursos para tratar pacientes da hemodiálise

Instituição filantrópica com atendimento 95% SUS, o Hospital da Baleia foi escolhido pela Secretaria de Saúde de Belo Horizonte para ser referência no tratamento de pacientes que possuem doença renal crônica e estão com a Covid-19. Com isso, toda pessoa que faz diálise em Belo Horizonte, pelo SUS, e é suspeito, ou caso confirmado da Covid-19, é encaminhado para o Centro de Nefrologia e Transplante Renal do Baleia. O hospital atende mais de 88% dos municípios mineiros e oferece os serviços de hemodiálise e transplante renal, experiência em duas modalidades de diálise peritoneal, além de uma estrutura preparada para realização de transplante renal em adultos e crianças. O Serviço é um dos maiores do estado e, neste ano, já realizou mais de 3.100 atendimentos e mais de 33.600 sessões de hemodiálise.

Zelícia Maria, paciente de Hemodiálise: “meu sonho é receber um transplante, pois hoje vivo muito em função da hemodiálise”. Na foto com o enfermeiro Patrick, do centro de Nefrologia do Baleia.

Instituição filantrópica com atendimento 95% SUS, o Hospital da Baleia foi escolhido pela Secretaria de Saúde de Belo Horizonte para ser referência no tratamento de pacientes que possuem doença renal crônica e estão com a Covid-19. Com isso, toda pessoa que faz diálise em Belo Horizonte, pelo SUS, e é suspeito, ou caso confirmado da Covid-19, é encaminhado para o Centro de Nefrologia e Transplante Renal do Baleia. O hospital atende mais de 88% dos municípios mineiros e oferece os serviços de hemodiálise e transplante renal, experiência em duas modalidades de diálise peritoneal, além de uma estrutura preparada para realização de transplante renal em adultos e crianças. O Serviço é um dos maiores do estado e, neste ano, já realizou mais de 3.100 atendimentos e mais de 33.600 sessões de hemodiálise.

“Os casos da Covid-19 estão diminuindo, mas continuamos em alerta e precisamos estar preparados para atender todos os tipos de pacientes com a doença. Não podemos nos desmobilizar. Por isso, temos o projeto Adote uma Cadeira onde pessoas físicas e empresas podem adotar financeiramente uma cadeira da hemodiálise”, afirmou a gerente de mobilização e recursos do Hospital da Baleia, Danielle Ferreira. Algumas empresas já abraçaram essa causa e estão apoiando a instituição, dentre elas, Delimassa, Ethos, Minas Motos, Perfa Alimentos, Prato Fino, Porto Alegre, Trevinho, Regispel e Reval Bombas.

Zelícia Maria, 37 anos, é paciente da Hemodiálise do Hospital da Baleia há quase três anos. “Minha vida era muito diferente antes da hemodiálise. Eu trabalhava, estudava, viajava. Meu sonho é receber um transplante, pois hoje vivo muito em função da hemodiálise, fico na máquina 4h por dia, três vezes por semana. ”

A Rede de Amigos do filantrópico Hospital da Baleia é o braço responsável pela mobilização de parceiros e captação de recursos. Para saber como ajudar, entre em contato pelo (31) 3489-1654/1680 ou rededeamigos@hospitaldabaleia.org.br. Acesse também www.hospitaldabaleia.org.br/

Referência em Saúde

À disposição da população, são 30 especialidades médicas tendo como referências, os Centros de Oncologia Adulta e Pediátrica, Nefrologia (Hemodiálise e Transplante Renal), Ortopedia, Pediatria e Cirurgia Bariátrica e Metabólica, além do Tratamento e Reabilitação de Fissuras Labiopalatais e Deformidades Craniofaciais (Centrarei). Todos os anos são feitos em média, 1,2 milhão atendimentos a pacientes de 88% dos municípios mineiros – sendo 95% pelo Sistema Único de Saúde (SUS). Fundada há 76 anos, a instituição conta com recursos financeiros e doações voluntárias para cumprir com excelência a sua missão na prestação de serviços de saúde aos mineiros.

Siga as redes sociais do Hospital da Baleia

TIkTok: www.tiktok.com/@hospitaldabaleia

Instagram: www.instagram.com/hospbaleia

Facebook: www.facebook.com/hospitaldabaleia

Youtube: www.youtube.com/hospitaldabaleia

Twitter: www.twitter.com/hospbaleia

Portal Medicina & Saúde (31)3586-0937 | FAÇA CONTATO

medicina & saúde nas redes